Chacundum é um blog em dolby-stérico de Cláudio Reston, designer-músico e sócio da Visorama Diversões Eletrônicas.

2 de mar de 2002

Brinquedo novo na mão é vendaval.





E as fotos do Braca (e algumas do Lamas) já estão no ar!
Sou fã do Bruce Lee. Tenho todos os seus filmes gravados, algumas biografias e já tive até poster dele no meu quarto quando eu era mais moleque (aquela foto clássica dele segurando o nunchaku com as duas mãos).

Outro dia desses passou no GNT um documentário sensacional sobre a vida e obra do cara, mas acabei vendo só o final. Se alguém souber quando será reprisado, por favor, me avise para que eu possa separar minha fitinha e deixar gravando. Opa, pois não!
O Braca ontem parecia mais um encontro mundial de turistas japoneses, dada a quantidade de câmeras e artefatos geeks presentes.
Procurando por 'vanguarda' no dicionário, você encontra:

"van.guar.da sf (fr avant-garde)
1. Primeira linha de um exército, de uma esquadra etc., em ordem de batalha ou de marcha; (...)"

Ou seja, é sempre a primeira a se f*der.
Da série 'Sonetos para Juventude':

Versos Íntimos (Augusto dos Anjos)

Vês?! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te a lama que te espera!
O Homem que, nesta terra miserável,
Mora entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera

Toma um fósforo, acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro.
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa ainda pena a tua chaga
Apedreja essa mão vil que te afaga.
Escarra nessa boca de que beija!
O computador do Motumbo não para de dar pau.
Alguém me aluga uma bolsa de água quente?
Aqueles russos... putz, como é mesmo o nome? Irmãos... Irmãos...

Irmãos Karametade!
Outro dia desses li não sei aonde a respeito do número sete. Realmente, sete é um número cabalístico (ou cavalístico, como diria uma amiga).

Sete dias da semana (sendo que Deus terminou o mundo no sétimo dia), sete pecados capitais, sete cores do arco-íris, sete céus, sétimo filho do sétimo filho (pra nascer lobisomem), missa de sétimo dia, sete anões, bola sete, camisa sete (de Garrincha), criança pintando o sete, bicho de sete cabeças, sete mares, Sete Quedas, sete de setembro, sete maravilhas, sete chaves... E forçando um pouco a barra: o Brasil foi tri na copa de setenta e um homem vive em média setenta anos.

Ontem rolou o Sétimo Dia Internacional do Bracarense, dia em que a Cidade Maravilhosa completou quatrocentos e trinta e sete anos. E como diria Jaguar, 'confesso que bebi'. Tava feliz pacas de ver e rever tantos amigos e tanta gente bacana reunidos num só lugar.

Caso eu tenha me exaltado um pouco, peço desculpas de coração. Liga não, era pura felicidade, tá? :)

28 de fev de 2002

Ctrl-C, Ctrl-V:

--- cut here ---

A Fundação Para o Dia Internacional do Bracarense tem o prazer de convidá-los para o maior evento anual de todos os tempos:

Dia Internacional do Bracarense - sétima edição - 1º de março de 2002.

Essa tradição milenar se repete anualmente em 1º de março, com sucesso de público e crítica. Por acaso do destino, essa data também marca o aniversário da cidade do Rio de Janeiro, transformando nosso evento numa importante forma de comemoração.

Neste dia, todos devem se dirigir a Rua José Linhares, numero 85B, quase esquina com a Ataulfo de Paiva, no bairro do Leblon, na cidade do Rio de Janeiro (Lat:22° 53' - Long:43°17' - antiga capital do saudoso estado da Guanabara). Brasil.

Lá, todos desfrutarão das melhores iguarias e dos nectares servidos nesse santuário, em total harmonia, alegria e paz.

Esperamos todos vocês!

Agradeço a atenção dispensada.

Jean Boechat
Assessor de Comunicação
Fundação Para O Dia Internacional Do Bracarense - Fevereiro de 2002

ps.: leve seu repelente.
É amanhã!
Jovem: ao completar 18 anos, aliste-se. Seja um Bracarense.
Que parada mobral.
Velocity Studio (dica do Felipe) e Cubadust (dica do Guilherme). Lindos.

27 de fev de 2002

Alguém saberia me dizer se o Jazzmania reabriu?
Sei lá, eu só acho que a galera anda muito preocupada com o que os outros andam escrevendo e acabam teorizando aos montes em cima disso.

Que bobagem xenti, vivam e deixem viver. :)
Uma coisa que a Globo sempre soube fazer bem, mas que anda piorando muito ao longo dos anos: tema de abertura de programa.

Os do Esporte Espetacular, Fantástico, Jornal Nacional e Globo Repórter (meu preferido) ficarão pra sempre na memória de muita gente. Não é a toa que até hoje permanecem os mesmos, com exceção do Esporte Espetacular, único cujo tema foi alterado (acho).

Infelizmente os novos arranjos não chegam nem aos pés dos originais, super bem orquestrados e com uma sonoridade muito característica, detonada no decorrer das décadas pelo famoso 'padrão Globo'. Uma pena.
Definitivamente, o ano começa após o carnaval. E tome chibatada.
O Ziraldo que me perdoe, mas...



Sensacional. Cria do cumpadi Jonas, da Criatipos.
Quase chorei quando recebi isso:



O elenco do Chaves, 30 anos depois. Dica do Maurição.
Coméquié? Terças de limão? Quintas de moranga?

Eu juro que não entendo qualé a do canal Sony.

E ainda tem as vinhetas mais feias do mundo.
Rio Faz Design e I Concurso Rio Novos Designers, com premiações nas categorias produto, digital e gráfico.

26 de fev de 2002

Faltam 3 dias para o grande derrame.
Se você curte artes gráficas, não pode perder Gráfica Utópica, exposição de cartazes do construtivismo russo que está rolando no CCBB. Maravilhosa.

E não deixe de passar depois no Nova Capela, próximo aos Arcos da Lapa, para comer um arroz de lula e um bolinho de batalhau. São deliciosos. Mas pega leve na pimenta porque a de lá é um negócio sério, faz qualquer um virar dragão.

Inclusive esse foi o roteiro dessa segunda, na companhia dos amigos Ez, Nida, Rohi e Biga, regado a muito chopp, uísque e jurisprudência.

A jaca...

25 de fev de 2002

Da série 'meus standards prediletos': Take Five (Paul Desmond).

Recomendo as versões de Al Jarreau e do Dave Brubeck Quartet. São de tirar pica-pau do oco.

Curiosidadequequasetodomundosabe: a música leva esse nome porque foi escrita em compasso 5/4.
Motumbo anda sempre com a corda toda.

24 de fev de 2002

Até quando as pessoas vão ficar imitando o jeito de falar do Sílvio Santos? Alguém ainda vê alguma graça nisso?

Na boa, o mundo não precisa desse tipo de gente.
E vamos nesta.
No dia que entederem definitivamente que sisudez não significa competência, e que esta não deve ser avaliada pelo preço do seu terno, o mundo será um lugar bem mais bacana.

Enquanto isso não rola a gente vai remando contra a maré, seguindo aquilo que acreditamos que seja o correto e mostrando serviço. Não existe outra forma senão essa.

Mas confesso: uma hora é difícil ser uma pessoa digna, correta e acima de tudo com certos princípios. Mas é assim mesmo. Já dizia o sábio que o mundo é feito de dois tipos de gente: as que se adaptaram (maioria devastadora) e as que não se adaptaram (minoria infimamente ridícula) - mas foram essas as que fizeram a humanidade dar passos largos em sua evolução e que mudaram os rumos da história.

Bem, ainda estou muito longe de mudar qualquer rumo de qualquer história (atualmente não consigo mudar nem a minha), mas pelo menos já sei em que time gostaria de jogar.

E enquanto a gente perde o tempo com essas 'bobagens', tá cheio de gente charlatã e cuzona seguindo com sucesso seus planos de dominar o mundo. Sad, but true maifrendí.

Não, isso não é um desabafo. É apenas uma constatação.
Faça você mesmo seu New Beetle. Dica do Dino.
Pernalonga é o personagem preferido do Motumbo.

Arquivo do blog